quinta-feira, 4 de novembro de 2010

A conta


Os pés que sustentam obrigações
são os mesmos que andam em tédio.
Sorrisos de distração que julgam aqueles que lhe pagam.
O copo de Chopp que eu pago
é o mesmo que escraviza.



Clareanna V. Santana, 03 de novembro de 2010

A curiosa

Minha mão abriga meu queixo
enquanto vislumbro o moderno.
Vejo uma pequena me observando
entre o corpo onde disfarça olhares.
E ela me atenta...
E mesmo no vazio da praça
seu olhar me alimenta.


Clareanna V. Santana, 03 de novembro de 2010.

sábado, 25 de setembro de 2010

Trago Amargo


Trago ao meu corpo
a versão amarga do meu ego
Misturo impurezas da
perversa modernidade

Inspiro a futilidade
que emana entre os povos
A semente castigada
da peste da beleza

Faço do meu corpo
um ente despedaçado
O meu amor próprio
iluminado
desencantado e
apodrecido

Eis a loucura
implantada na
racionalidade

Eis a bulímica
fatia deste bolo...



Clareanna V. Santana, 24 de setembro de 2010.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Febre Latente

A fúria emanada
da gota,
dos poros,
do puro sangue
que trafega e transporta
conflitos.

A mente transplantada
de energia...
A simbologia da alma
que cala,
que cede...

Eis a saga
do desejo inerte
que fricciona
a pele,
a carne lânguida.

Olha o ser sombrio,
o anjo caído
que sai do ventre virgem.

Tente compreender
cada palavra dessa
febre latente
enquanto eu, incomunicavelmente,
espero passar.

Clareanna V. Santana, 2009

quinta-feira, 3 de junho de 2010

O toque


A distância de um quarto
não trafegava sentimentos.
Ficavam, eles, guardadinhos
nos desejos e lamentos.

As regras não fixavam relações transparentes.
A transparência da carne,
a nudez ausente
e o sentimento contido
foi traduzido num toque,
num beijo
de repente.




Clareanna V. Santana

terça-feira, 4 de maio de 2010

Bobagem...

Este é um texto que escrevi há certo tempo. Não me lembrava dele mais. É uma conversa comigo mesma.
[...]
- E o qe é que tem?
- Tem o quê?
- Por que não posso ser assim?
- Porque não.
- E por que você pode?
- Porque sou você racional.
- Quem disse?
- A ciência.
- Bobagem!

Clareanna. 15/12/2009