segunda-feira, 30 de maio de 2011

Decalque

Nada como o fácil,

- tão fácil-
tão dócil seu abraço.
Nada como esse que flutua...

Nada como feito o elo
no quinto dos desejos
ou frio dos infernos.

Nada como aquilo que cala,
ou fala tocando...

Nada como o ódio,
decalque do ócio,
pra me ter na rua...

Nada como o tédio,
inverso, sozinho...

Nada como o ato...
o palco...
performance sua...
egoisticamente nua.



Clareanna V. Santana, 30 de maio de 2011

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Lamento

O céu não está mais
tão estrelado...

A Lua não está mais
tão cheia...

Seus olhos não
brilham tanto.

O Sol, não mais
me clareia.



Clareanna V. Santana, 26 de maio de 2011.

Armadilha

Os Gatinhos sorrindo
caíram na armadilha
do Cão danado.

- Que Cão, que nada!

Era Lobo sabido
que de nada era Burro,
pegou sua arma
e levou os prêmios
dos Patos sortudos.



Clareanna V. Santana, 26 de maio de 2011