quinta-feira, 2 de julho de 2015

Tempo da fera



As mãos seguraram o corpo
enquanto a cabeça contava as horas.
O tempo, que inimigo do sono,
passou lentamente.

A Hora então duas
fez-se uma
E a fera, deveras atrasada,
viveu duas horas para esperar.




Clareanna V. Santana, 2012

Um comentário:

George Ardilles disse...

Tá gostando do CAOS de Recife?!!!???..