sábado, 29 de agosto de 2015

Poesia se sair de mim
é inveja.
Dela
dizem tantas que não saem.
Para quê poesia quando feita
se não sentida?
Leia-se poesia viva.

Quando inveja 
porque é inventada.
Não a senti,
vi
e apenas
li.


Clareanna V. Santana

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Quando a gente vê o infinito





É um sonho
que não tem pressa.
É o dia
que não passa.
É carinho que não
se acaba.
E um imã que
não cessa.



Clareanna V. Santana
@Clareamente

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Desafio



Há de quem me chamar
para uma aventura
Me entreter

de ternura
E nunca mais
ver a Lua e o Sol
sob a luz da lucidez
novamente.


Clareanna V. Santana
@Clareamente

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Lembrança



No fundo
quando as cores
vem à aurora...
É vontade
que me chama.

Saudade
é como pétala
de flor
que em memória
pouca
não falta
Amor.


Clareanna V. Santana
@Clareamente
Para Aurora Flor

domingo, 9 de agosto de 2015

ENTREMOS


Entre nós
almofadas,
Nos nós
cordões.

Fazer amor,
fadas!
Fazer-se
amor,
delas!

Entre nós
as palavras.
Filosofia
achatada,
comprimida.

Entre nós
elas,
suprimida.

Faz-se
nós
desejos
compridos.

Entre nós
Ela.



Clareanna V. Santana

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Mar à Vida



Na vela que leva a vida
o vento que arrasta
vela-se a alma
calma
alcança.

Mar à vista.

O vento que leva a vida
nela tudo passa
passa
desgasta
descansa.

Vela que vela a vida
nem tudo nela gasta
imagem narcisística

Mar cinza

Vela a vida
Vida basta.


Clareanna V. Santana