terça-feira, 21 de março de 2017

Cardiopoesia*



Parti
para outro plano!

Gostaria de sentir
o que aquele muro sentia
quando passei
pela primeira vez.

Olhei
dentro dos olhos do mar
e perdi aquela memória
do caminho que fiz
quando ele falhou
pela segunda vez.

Busquei
um novo sentido para a brisa.

O vento me levava
para outras décadas.
Era jovem ainda,
queria sentir mais.

Então comi
toda alegria que me dera.
Engoli,
mastiguei,
e cuspi no prato que comi.

E senti
a quimera que me envolvia,
nascendo de novo naquela
mistura de sal e terra.

E descobri
que meu coração bate e sofre
de poesia.


Clareanna V. Santana
@Clareamente

* com licença, poética.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Vulva
lucidez
do dia amargo.

Viva
a fluidez
do teu afago.


Clareanna V. Santana

@Clareamente

quinta-feira, 16 de março de 2017

Dois pontos

Do segredo
nas palavras
o foco:
falar de tudo
sem dizer nada

traduzir sonho
travestir mente

Ser
pra mim
é ser tão nós
e não ser capaz
de conter

Ser enfim
convertermos sós
pois o que
me pulsa
é liberdade
de ser plenamente


Clareanna V. Santana
@Clareamente

domingo, 12 de março de 2017

Desatando nós


Forno
parece afogado
insuficiente em mim
quente
dor
mente.

sente
sinto
egoisticamente
engodo
dormente…

ácido
parece sonho
ansiosamente em vós
e sós
nós
desatando nós.


Clareanna V. Santana
@Clareamente
Neste domingo,
                              - poesia que me faço -
busco entorpecer-me de ti
sem saber pr’onde ir,
sem saber pr’onde andar…

Neste domingo
conjungo verbo amar
na realidade salgada
que insisto em sentir
que insisto em ficar...


Clareanna V. Santana

@Clareamente

sexta-feira, 10 de março de 2017

Cansou
de bater
contra o destino.
Por pouco
fez-se fora
focou-se dentro
jogou-se da ponte.


Clareanna V. Santana

@Clareamente

quinta-feira, 9 de março de 2017

O
corpo
não obedece
razões.
A paixão
move
cada tendão.
Cheio de sangue
Cheiro de gozo
Cheia de carne.


Clareanna V. Santana
@Clareamente



Atalhos


Singela
Ela
percorria
atalhos
por uma vida
mais intensa.

Clareanna V. Santana
@Clareamente


domingo, 5 de março de 2017

Dois


caía sobre Ela
o tino suspeito
que queria.

desejo oculto
transbordaria
feitiço,
fantasia.

Dela
havia respeito
com gosto
de terra.

Dele
gosto de março.
Entre a Lua e o Sol
um destino salgado.


Clareanna V. Santana

@Clareamente

sábado, 4 de março de 2017

Dona



pintou-se de si
corou-se em azul
fitou um estranho
pensou num caminho
e seguiu sorrindo


Clareanna V. Santana

@Clareamente